Loja Downforce F1

•maio 31, 2008 • 2 Comentários

CamisetaLeone

Só de hobby, tenho desenhado alguns logotipos pra camisetas. A idéia é trazer temáticas de corridas para o vestuário. Devido a restrições do Cafepress.com, não consigo deixar elas exatamente como gostaria, mas.. enfim.. É um exercício de criatividade…

“Velhinhos” o Retorno… II

•abril 24, 2008 • 4 Comentários

GP Masters de volta

Grandes notícias para o nostálgicos do automobilismo! Tão boas que até me fizeram postar novamente. Após um breve retorno em 2005 e 2006, os tios e avôs da Fórmula-1 devem tomar as pistas novamente no fim desse ano. Depois de a defunta GP Masters fechar as portas por falta de patrocínio e interesse de redes de televisão, com apenas 3 provas realizadas, a promotora do antigo evento,  Delta Motorsports, tentará revigorar o formato para o inverno europeu de 2008.

Os carros permanecem os mesmo, um chassis Lola adaptado da antiga Champcars, mas serão trocados os problemáticos motores Nicholson McLaren, que sofreram mais que a coluna dos pilotoso sênior. O novo propulsor ainda não foi anunciado, mas será turbocomprimido com 600 cavalos de potência. O nome também muda, passará a F1 Masters, indicando que, dessa vez, Bernie Ecclestone deu seu aval à categoria, deixando as queridas iniciais constarem na denominação da série.

Uma boa novidade será a remoção do limite mínimo de 45 anos de idade, que permitirá a participação de “monstros” como Roberto Moreno, Jirky Jarvi Lehto, Heinz Harald Frentzen e, porque não, com reza brava, Mika Hakkinen e Michael Schumacher? Jacques Villeneuve, o campeão de 1996 já reservou uma cadeira. Villeneuve disse que mal pode esperar para dividir freadas com alguém como Nigel Mansell e sugeriu que, se as diferenças de idade forem muito grandes, podem equilibrar as performances com lastro, quanto mais jovem o piloto, mais pesado o carro.

Para quem não viu nada da antiga GP Masters, vale lembrar que figuras como Nigel Mansell, Emerson Fititpaldi, René Arnoux, Eddie Cheever, Alan Jones, Patrick Tambay, Riccardo Patrese e Jan Lammers freqüentaram seus grids.

Agora, na foto que divulga o ressurgimento, tenho certeza que o piloto da esquerda é o Nigel Mansell, quem será o da direita?

Onde é que cê vaaaaaai… Austrália / 2008

•março 21, 2008 • 1 Comentário

Raikkonen fora da pista como de costume em Melbourne

Uma corrida para queimar a língua de todo e qualquer mídia especializada em Fórmula-1. Analisando friamente, quase não houve acertos de qualquer pitaco que os jornalista deram em relação à abertura da temporada. Se eu fosse dar pitacos, erraria também, mas atrasei minhas previsões estrategicamente e agora só vou dar pós-pitacos.

Supostamente, deveríamos ter uma procissão ridícula da Ferrari nas ruas do Albert Park, mais de um segundo superior à adversária mais próxima, McLaren. Um retumbante equívoco! Não só a McLaren exerceu seu domínio como a Ferrari teve uma performance pastelão digna dos tempos de Cesare Fiorio, quando a Scuderia não faturava nem pódio e tropeçava nas próprias pernas. Massa foi cômico, apertanto o acelerador na primeira curva como se fosse um botão, e saindo direto no muro. Depois ainda colidiria com Coulthard, antes de parar com o motor quebrado. Raikkonen foi um valente, mas totalmente descompensado, o campeão mundial andou mais na terra do que no asfalto, salvando apenas um pontinho com a desclassificação de Barrichello. Continue lendo ‘Onde é que cê vaaaaaai… Austrália / 2008’

Volta de instalação – Parte 13 / 2007

•março 16, 2008 • 1 Comentário

Vitória fácil do finlandês

É o Jaspion? O Ultraman? Não, é o Homem de Gelo, na sua primeira vitória, já na estréia com a Ferrari. Deu um susto em todos os entusiastas da F-1. Parecia decretado o título da Ferrari em véspera, tamanho o domínio que teve da prova.

Como sabemos, a história seria diferente, com inúmeras reviravoltas, espionagem, escândalo político e, por fim, uma “redenção”, na última prova do campeonato. Ali, porém, a explicação para a vitória foi fácil: assoalho móvel. Não era exatamente ilegal, pois naquela época não tinha testes para comprovar a sua verdadeira função. Posteriormente, no entanto, a FIA fez com que Scuderia removesse essa peça importante da aerodinâmica e daí começou o domínio das McLaren até que a Ferrari resolvesse os problemas do conjunto sem esse recurso.

Volta de instalação – Parte 12/ 2006

•março 16, 2008 • 1 Comentário

Michael acerta o muro na entrada da reta

A última prova em Melbourne do multicampeão Michael Schumacher foi um tanto aventuresca. Em um treino confuso, no qual Jenson Button com a Honda marcou a pole-position, Schumacher conseguiu uma marca ruim e teve que alinhar no 10º lugar.

No início da prova, seus pneus Bridgestone não pareciam funcionar na temperatura ideal e por algum tempo o alemão circulou na parte de trás do top 8. Depois de várias voltas, a Ferrari engrenou e Michael acelerou o ritmo, brigando até a quarta posição. Foi para os boxes e, de repente, começou a voar. Ultrapassou Button para ficar em terceiro e vinha rodando volta de qualificação em cima de volta de qualificação.

A empolgação, porém, fez com que o alemão acelerasse cedo demais na entrada da reta principal. Por alguns momentos pareceu recuperar o controle, mas um desnível na zebra arremessou o Ferrari no muro externo e, em três rodas, Schumacher atravessou a pista, encostando ao lado do pitlane. Alonso venceria fácil e o esforço de Schumacher simbolizaria o ano, em que passou toda a temporada perseguindo o espanhol nos pontos, mas sem desferir o golpe da virada.

E o Rubinho ó!!!

•março 15, 2008 • 4 Comentários

ooooops

Volta de instalação – parte 11 / 2005

•março 15, 2008 • Deixe um comentário

Grid maluco

O Ano do bimbendum (algo assim como se chama o mascote da Michelin) começou com um treino de qualificação enlouquecido. A chuva visitou o sabadão do Albert Park e fez uma salada de Fórmula-1s para o domingo. Ainda não se sabia, mas Fisichella era a única força do treino que estava mais ou menos na posição em que deveria. Fez a pole, sem maiores problemas.

Enquanto isso, Toyota (Trulli) largou na primeira fila, Jordan saiu pressionando Toyota e alinhou à frente de Ferrari (Schumacher), Villeneuve saiu lá na frente ainda se achando com o carro e Rubinho e Alonso ficaram no meio do pelotão, seriam os principais personagens do espetáculo.

A Ferrari decidiu começar o ano ainda com o carro velho e, com as novas regras que exigiam a durabilidade de uma corrida inteira para os pneus, a Bridgestone não tinha se achado com o acerto ainda. Mesmo assim, Barrichello fez uma corrida de recuperação muito boa, sempre comboiando Alonso, com a velocíssima Renault.

Nas últimas volta o pega foi intenso, Alonso descontava a diferença para Fisichella a meio segundo por passagem, enquanto que Barrichello tirava quase três décimos de Alonso. Na derradeira volta, os três entraram no último setor com menos de 3 segundos de diferença para cada um, mas a vitória ficou com Fisico, que ali parecia uma força para a temporada. A Ferrari também parecia muito bem, andando com os líderes ainda com seu modelo antigo, mas o domínio Michelin foi amplo e o título foi disputado entre Raikkonen (que nem apareceu muito) e Alonso, o campeão.